HISTÓRIA

Pe. José

Filho de pais agricultores Giuseppe Rinaldi nasceu em 1945, na Brescia no norte da Itália. Na época esta era uma Região pouco povoada e isolada a 90 quilômetros de Milão capital de Lombardia ao norte da Itália. Sua infância foi marcada pelo frio excessivo, a falta de comunicação entre as comunidades, a diversidade de dialetos presentes na época nas comunidades próximas e a surdez de um casal de primos marcaram a sua infância. Em tempos de inverno rigoroso para melhor se aquecerem as mulheres e as crianças permaneciam por longos períodos em estábulos para se aquecerem com o calor dos animais.

Aos 12 anos o jovem Giuseppe ingressou no seminário para cursar o segundo grau e os trabalhos sociais da congregação com jovens carentes ou em situações de risco foram atraindo cada vez mais o jovem seminarista para o despertar para a vocação sacerdotal.

Em 1972 em Milão o recém ordenado Padre Giuseppe Rinaldi se dedica aos estudos para renovar os títulos acadêmicos adquiridos nos seminários, tendo em vista que na época na Itália as leis não reconheciam os estudos em seminários ou escolas particulares, isto lhe custou horas de estudos para realizações de provas exigidas na época. Após este momento ele se especializa em Magistério de Educação para Crianças Surdas no renomado Instituto Nacional para Surdos Gerolamo Cardano, Milão. No ano seguinte ele retorna à sua cidade de origem Brescia para assumir a direção do colégio Instituto Pavoni.

Na França, em 1968 ocorreu um vendadal social que se estendeu à Itália provocando mudanças profundas na educação especial, com isso, no início dos anos de 1970 as escolas para surdos foram fechadas e sem tempo para preparo das escolas e professores os alunos foram integrados à rede oficial de ensino da época. Dessa forma, cada município passou se responsabilizar pela educação e assistências dos deficientes da sua região foi a partir daí que Padre Giuseppe passou a trabalhar em escolar no acompanhamento de inclusão de crianças com deficiência auditiva em turmas regulares.

Em setembro de 1980 o Padre Guiseppe Rinaldi chegou em Brasília e já nesta época carinhosamente passou a ser chamado de Padre José e desde então está à frente como diretor do Centro Educacional da Audição e Linguagem – Ludovico Pavoni (CEAL-LP). Hoje Padre José é referência em Brasília na educação e oralização de crianças e jovens com deficiência auditiva e desde 2014 tem acolhido com muito carinho no CEAL-LP crianças com autismo e/ou deficiência intelectual.




Ludovico Pavoni

Ludovico Pavoni nasceu no dia 11 de setembro de 1784, na Itália. O contexto histórico daquela época nos mostra que o período de seu nascimento foi cercado de guerras, miséria e fome, que se alastrava por várias regiões da Europa. As informações sobre a infância de Ludovico não são amplamente divulgadas, mas suspeita-se que ele tenha tido um grande apreço pela religião. Quando atingiu a fase adulta, o jovem seguiu seu sonho de se tornar padre e seu trabalho foi tremendamente inspirador e necessário para uma época em que as ações sociais eram praticamente escassas.

O principal objetivo de Ludovico era educar e cuidar de todos os jovens que haviam tido a sua vida destruída pela guerra ou pelo período histórico, que era de grande dificuldade. Seu trabalho teve como palco as cidades e o campo de várias regiões italianas, e já naquele período, ele era considerado um grande visionário dos trabalhos sociais.

Um dos objetivos de seu trabalho era impedir que os jovens acabassem se transformando em criminosos pela vida indigna que viviam. Seguindo em frente com o seu objetivo, Ludovico criou um orfanato para abrigar jovens e adolescentes que viviam na extrema pobreza. E mais a frente em sua vida, conseguiu fundar, juntamente com o bispo de Bréscia, o primeiro colégio para os menos favorecidos - o Colégio de Artífices.

Cerca de 15 anos depois, Ludovico conseguiu realizar mais um grande feito e fundou mais uma instituição educacional voltada para os pobres. Dessa vez, ele havia fundado a primeira escola gráfica da Itálica, com o Pio Instituto de São Barnabé. Nesse instituto, era ensinado muito a respeito da tipografia e também existiam vários estudos dedicados exclusivamente ao evangelho de Cristo.

Com tanto sucesso, o padre já estava certo que tudo o que ele precisava era de jovens motivados. De resto, tudo era possível com a doutrina cristã. Inclusive, uma famosa analogia foi feita por ele, onde ele chegou a dizer a seguinte frase: “Basta colocar dentro da impressora jovens motivados, que os volumes de boa doutrina cristã estarão garantidos”. A alusão da impressora foi criada após o sucesso da sua escola que ensinava artes gráficas, que conseguiu realizar o seu propósito com altíssimo rendimento.

Seguindo ainda com seu extenso trabalho, Ludovico fundou, em 1838, uma das primeiras escolas para surdos-mudos. Outra instituição que é amplamente reconhecida pela sua vanguarda em educação e em projetos sociais - naqueles anos não se tinha notícia de uma escola parecida. Ainda com esse sucesso, o padre italiano fundou a Congregação Religiosa dos Filhos de Maria Imaculada, em 1847, o sucesso foi tamanho que todos os participantes da congregação ficaram conhecidos como “os pavonianos”, em homenagem ao padre.

Com um currículo invejável, o padre Ludovico Pavoni foi capaz de realizar feitos que são grandes até mesmo para os dias de hoje. No dia 1 de abril de 1849, apenas três anos após fundar a sua congregação, ele faleceu em função de uma pneumonia.